A crise e suas dimensões

Um projeto verdadeiramente "progressista" precisa enfrentar questões estruturais, como a desindustrialização e os entraves à inovação

Rodrigo Medeiros*

De acordo com as últimas pesquisas da consultoria Ipsos, a percepção de que o Brasil não está no caminho certo atingiu o maior nível já alcançado, superando o recorde anterior registrado durante os últimos meses do governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Para 95%, o Brasil segue no rumo errado. Há outras dimensões da crise que pretendo explorar sucintamente.

Segundo apontam os recentes números compostos da Markit Economics, sobre o índice gerentes de compras (PMI, em inglês), a economia brasileira está estagnada. Em síntese, a crescente preocupação das empresas em relação a questões políticas, a instabilidades institucionais, a fragilidades da demanda e adversas condições de mercado resultou no menor nível de confiança desde março de 2016. O desemprego elevado persiste e a população se mostra bem desconfiada do pacote reformista proposto.

Complexo e muito desigual, o Brasil possui um grande potencial. No entanto, o fim do ciclo de crescimento baseado em commodities, consumo e crédito demanda ajustamentos condizentes com o país melhor que um dia desejamos efetivamente ser. A desindustrialização precoce, desde meados dos anos 1980, afetou o fôlego da economia e suas possibilidades de desenvolvimento. Entre a especialização em atividades malthusianas (naturais e de retornos decrescentes de escala) ou schumpeterianas (construídas socialmente e de retornos crescentes), há perceptíveis diferenças nas riquezas das nações. Nesse sentido, é preciso cuidado para que o Brasil não fique preso na armadilha da especialização em ser pobre e muito desigual.

O processo brasileiro de desindustrialização prematura, compreendido como as perdas relativas de empregos da indústria de transformação e de sua participação no Produto Interno Bruto (PIB), é claro desde meados dos anos 1980. A partir de 1994, com o recorrente uso do câmbio para combater a inflação, vem ocorrendo a perda de sofisticação da nossa pauta exportadora. No instigante livro de Erik Reinert, “Como os países ricos ficaram ricos... e por que os países pobres continuam pobres”, editado pela Contraponto, há uma profunda discussão sobre o processo histórico de desenvolvimento. Cobrindo um período de cerca de quinhentos anos de reflexões e estudos econômicos, Reinert sintetiza: “países pobres tendem a se especializar em atividades que os países ricos não podem mais automatizar ou nas quais não há possibilidade de realizar inovações. Em seguida são criticados por não inovarem o bastante”. As políticas neoliberais são muito ruins para os países de renda média, pois elas os impedem de emparelhar com os países desenvolvidos.

Erik Reinert compara o Consenso de Washington (1989) com os planos Morgenthau e Marshall, do pós-guerra. Paralelos entre o Plano Morgenthau, que visava desindustrializar a Alemanha, e o Consenso de Washington, cuja orientação é pelo alinhamento de preços, deveriam ter causado maior preocupação com o desenvolvimento brasileiro. Afinal, a efetiva recuperação europeia se processou sob o Plano Marshall, que ajudou a industrializar os países arrasados pela guerra. O Brasil abraçou a austeridade fiscal, a partir de profundos cortes nos investimentos públicos, em decorrência da grave recessão iniciada em meados de 2014. Os aspectos estruturais, como a desindustrialização precoce e a acomodação de trabalhadores em atividades econômicas de baixa produtividade, não foram considerados nos tons dos “ajustes” macroeconômicos.

*Rodrigo Medeiros é professor do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES).

Publicado originalmente em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/conjunturando/a-crise-e-suas-dimensoes

Trópico em Movimento © 2016 - 2019.

Campus UFPA - Rua Augusto Corrêa, 01 - Casa do Poema,

Bairro Guamá, 66075-110, Belém, Brasil

(091) 3201-7700

  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
  • Wix Google+ page