Uma lição que a execução de Marielle Franco nos força recordar: a verdade na política está na razão entre a vida e a morte

Seguiremos na luta até o fim, porque a morte de Marielle Franco e nem a de centenas de lutadores nos farão calar as nossas verdades e, tampouco, nos desorientar.

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Leandro Módolo.

Eu estou convencido de que o marxismo e tantas outras “visões de mundo” radicalmente críticas a nossa forma de vida não se identifica – nem em termos seculares – com a “religião” ou qualquer “fundamentalismo(s)”. E por uma razão que me parece simples, a forma de conhecimento do marxismo não se fundamenta em “verdades absolutas”, em dogmas, ainda que uns ou outros erijam eles recorrentemente em nome desse ou aquele teórico. Por se pretender ciência a dúvida é seu veículo por excelência. Por isso um dos principais dramas do marxismo sempre foi conciliar verdade e ação.

 

A questão então que surge se configura assim: dado que as visões de mundo fundamentam ações, não podemos nos deixar orientar pelas suas verdades? Ou melhor, uma vez que essas verdades conduzem a ação política de vida e morte – metaforicamente ou não – estaremos as absolutizando? Em termos práticos sim, estaremos as absolutizando.

Mas se a questão finda assim a resposta é unilateral, logo, incompleta. Porque em termos práticos não há, necessariamente, ação política sem uma orientação, sem uma prévia ideação – indiferentemente do quão racional ela possa ser. Então a questão deve continuar: na ação política, sobretudo naquela de vida ou morte, como devo me orientar? Alguns preferem não respondê-la, ou melhor, não agir, o que, por consequência, coloca término à luta com a morte do inerte. Nesse sentido, o que a morte de Marielle Franco nos força recordar é que toda luta política carrega um grau de absoluto – nesse caso expresso justamente pela sua morte. Aos que insistem em desobedecer a inércia e lutam contra seus opressores e exploradores é necessário se orientar por essa ou aquela “visão de mundo”… caso contrário será derrotado, perecerá! Não há saída se se quer ganhar a luta sem escolher uma orientação, ou como disse Lênin, “não há revolução sem teoria revolucionária”. Por isso, com efeito, o marxismo carrega verdades que tendem ao absoluto, como o liberalismo carrega as suas, o anarquismo as suas, o fascismo as suas etc. Só a inércia é que delas não necessitam.

Agora, se essas verdades são de fato “verdades absolutas” nunca teremos a certeza “absoluta”, como nunca terão também os anarquistas, os liberais, os fascistas etc. No embate com estes, portanto, devemos convocar as nossas críticas teóricas, os nossos métodos, as nossas leituras dos fatos históricos, as nossas compreensões dos fenômenos econômicos, as nossasexplicações da vida social, a defesa dos nossos valores e ideais, os princípios da nossa moral e da nossa ética… E todos com o objetivo de vencermos, sempre tendo a clareza que as armas das críticas não substituirão as críticas das armas!

No fim, recordamos que se o critério da verdade é a prática, a verdade da luta política se encontra no conflito ou, em outras palavras, a sua verdade é a razão entre a vida e a morte. É certo que há um bocado de tristeza nisso, mas, penso eu, é a forma mais razoável e segura de responder a tais problemas sem se abster da luta, e mais, é a forma de empreendê-la até o fim!

Publicada em: https://blogdaboitempo.com.br/2018/03/19/uma-licao-que-a-execucao-de-marielle-franco-nos-forca-recordar-a-verdade-na-politica-esta-na-razao-entre-a-vida-e-a-morte/

 

Trópico em Movimento © 2016 - 2019.

Campus UFPA - Rua Augusto Corrêa, 01 - Casa do Poema,

Bairro Guamá, 66075-110, Belém, Brasil

(091) 3201-7700

  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
  • Wix Google+ page