O capitalismo atual é incapaz de entregar o que promete 

Como diz Benjamin, o presente aglutina o que foi conquistado pelas lutas sociais e a descoberta de novas chances para ação humana coletiva

por Luiz Gonzaga Belluzzo 

Na primeira edição do ano de CartaCapital, assaltaram-me dúvidas nada cartesianas. Peço vênia, diria o ministro Barroso, para me embrenhar na selva das dúvidas prosaicas. Dúvidas que assaltam os mortais mergulhados nas agruras da sociedade dos desiguais. 

O jornal Valor publicou na última quarta-feira uma pesquisa qualitativa que colheu as visões das classes C e D a respeito, entre outras indagações, do governo Temer e das intenções de voto nas eleições de 2018. As opiniões do povo “populista” repudiam veementemente o governo do presidente Temer: “É percebido como um político fraco, egoísta, corrupto, sujo e tomador de medidas impopulares”.

Os populistas populares reafirmam a preferência por Lula, a despeito de referências inconformadas à política e aos políticos. A inegável melhora das condições concretas de vida na era Lula empurra os cidadãos menos favorecidos para o voto no ex-presidente: “Avaliações sobre o governo Lula são positivas, mas mesmo simpatizantes dizem que o petista ‘não é santo’ ”.

As opiniões exaradas na pesquisa brasileira repercutem o fenômeno dos movimentos anti-establishment nos Estados Unidos e na Europa. Yanis Varoufakis escreveu no Project Syndicate artigo certeiro sobre os desacertos do pensamento social dominante, o “pensamento das elites”. 

Diz Varoufakis que, em ambos os lados do Atlântico, a emergência do “paroquialismo militante” (o nacionalismo estreito e reacionário) tem sido investigada de todos os ângulos possíveis: psicanalítico, cultural, antropológico, estético e, naturalmente, sob a ótica identitária.

“O único ângulo que permanece largamente inexplorado, crucial para a compreensão do que está ocorrendo, é a incessante guerra de classes deflagrada contra os pobres, desde o fim dos anos 70.”

Varoufakis continua: os dados do Federal Reserve informam que, nos Estados Unidos, mais da metade das famílias não se qualifica para obter um empréstimo de 12.825 dólares com o propósito de adquirir um Nissan Versa. Enquanto isso, na Inglaterra, mais de 40% das famílias dependem dos recursos públicos dos bank foods para prover sua alimentação e cobrir as necessidades básicas.

Na Alemanha, explica Le Monde Diplomatique, depois da reforma trabalhista, o baixo desemprego convive com a generalização do trabalho precário, produzindo em massa o fenômeno dos working poors. 

Em sua configuração atual, o capitalismo escancara a incapacidade de entregar o que promete aos cidadãos. A exclusão manifesta-se no desemprego dos jovens, no desemprego estrutural promovido pela transformação tecnológica e pela migração da manufatura para as regiões de baixos salários. 

Os cidadãos brasileiros das classes C e D compreendem à sua moda as contraposições que os bacanas não entendem, aprisionados no “mundo das ideias”. Uma subespécie de platonismo après la lettre.  É desnecessário relembrar o leitor de CartaCapital que Platão chamou de Mundo das Ideias o imutável, eterno e “real” em oposição ao Mundo Sensível, em que os objetos são passageiros, caracterizados pela mutabilidade e ilusórios. 

publicado em: https://www.cartacapital.com.br/revista/985/o-capitalismo-atual-e-incapaz-de-entregar-o-que-promete

Trópico em Movimento © 2016 - 2019.

Campus UFPA - Rua Augusto Corrêa, 01 - Casa do Poema,

Bairro Guamá, 66075-110, Belém, Brasil

(091) 3201-7700

  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
  • Wix Google+ page