Projeto de Incubação apresenta proposta de layout do CTPCR do Aurá

 

 

O município de Belém do Pará possui uma população estimada em 1.393.399 habitantes e produz, em média, 1.4 toneladas de resíduos sólidos urbanos por dia, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saneamento (SESAN). E um dos principais desafios é a gestão desse material de maneira sustentável e que gere renda aos catadores.

Nesse sentido, O Centro de Triagem, Processamento, Capacitação e Comercialização de Recicláveis e Reutilizáveis do Aurá (CTPCR do Aurá) será implementado com o propósito de atender aos catadores de Belém, que estejam organizados formalmente.

No dia 3 de novembro, Denilson Sizo, especialista em planos de negócios e consultor econômico do projeto de incubação “Fortalecimento de cooperativas e associações de catadores e catadoras de materiais recicláveis e reutilizáveis – em municípios do Pará”, apresentou sugestões para a melhoria na infraestrutura no Centro de Triagem do Aurá, principalmente dando dicas de layout.

O espaço será destinado para o refinamento do resíduo pré-separado pelas Associações e Cooperativas da cidade de Belém. De acordo com Denilson, esse processo agrega valor ao resíduo, pois inclui a trituração e o armazenamento do produto, tirando o papel da venda dos atravessadores.

Estiveram presentes Deryck Martins, Secretário de Meio Ambiente, Soraia Knez, diretora geral da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS), Dione Cavalcante, da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) e Rosa Alexandre da Silva, do Fórum Paraense de Economia Popular e Solidária (FPEPS).

“Achei muito boa a apresentação do Denilson, pois precisávamos de alguém com experiência de fábrica. Mas temos que pensar, também, o modelo de negócio que será implantado. O caminho deve ser auto-sustentável, para se tornar algo permanente”, afirmou Deryck Martins .

Centro de Triagem do Aurá - O aterro sanitário do Aurá estava localizado em Santana do Aurá, distrito administrativo do Entroncamento (DAENT), da cidade de Belém. No dia 5 de julho de 2015 o local teve suas atividades encerradas. O espaço recebia cerca de 22 toneladas de resíduos provenientes dos municípios de Belém, Ananindeua e Marituba.

A desativação cumpriu a determinação da Lei Nacional de Resíduos Sólidos  (nº 12.305/2010), que exige ainda que todas as administrações públicas municipais, independente do seu porte e localização, devem construir aterros sanitários adequados para receber os resíduos produzidos pelos cidadãos. No dia 25 do mesmo mês, Belém passou a depositar o lixo em um aterro sanitário construído pela empresa Guamá Tratamento de Resíduos, na Alça Viária, em Marituba. A empresa é do grupo Solví, um dos maiores grupos de tratamento de resíduos da América Latina.

A gestão do CTPCR do Aurá se dará através de uma Comissão de Gestão composta por organizações/representações que terão de indicar um titular e um suplente. O projeto de incubação participa desta Comissão que tem o papel de propor, acompanhar, monitorar e avaliar as ações que serão desenvolvidas no CTPCR do Aurá.

Trópico em Movimento © 2016 - 2019.

Campus UFPA - Rua Augusto Corrêa, 01 - Casa do Poema,

Bairro Guamá, 66075-110, Belém, Brasil

(091) 3201-7700

  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
  • Wix Google+ page